Aves Curiosas

Aves curiosas é uma rúbrica que pretende mostrar algumas aves “diferentes” observadas no arquipélago dos Açores. Essa diferença manifesta-se muitas vezes em colorações atípicas, nas diversas espécies, quer sejam casos de indivíduos leucísticos, albinos ou melânicos. Nos Açores é frequente a observação de melros, estorninhos e pardais leucísticos (ou parcialmente), ou de toutinegras melânicas, no entanto outras espécies têm sido observadas apresentando plumagens e colorações curiosas.

Esta rúbrica pretende mostrar alguns desses casos, documentados fotográficamente, por todos quantos queiram colaborar com registos. Envie os seus registos para avesdosacores@gmail.com

Tipos de coloração atípicas

Leucismo – O leucismo é uma alteração frequente da pigmentação, resultado  de um bloqueamento celular na deposição de melanina em algumas partes do corpo. Surgem assim indivíduos com manchas brancas ou por vezes totalmente brancos. Estes últimos podem confundir-se com albinos, contudo distinguem-se destes pela ausência de olhos vermelhos.

Albinismo – O albinismo, ao contrário do leucismo, afecta sempre o corpo todo do animal, conferindo-lhe uma cor branca e olhos cor rosa ou vermelhos.
O albinismo resulta de uma total ausência de melanina devido a uma incapacidade de produção da mesma.

Toutinegra melânica

Algarvia (São Miguel), 15-08-2005 (Foto: Ruben Heleno)

Melro parcialmente leucístico

Algarvia (São Miguel), 22-10-2006 (Foto: Ruben Heleno)

Melro parcialmente leucístico

Tendo ficado conhecida como “Pena Branca”, esta melra apareceu pela primeira vez  nos jardins do Departamento de Ciências Agrárias, então, na Terra Chã. Pela peculiaridade de ter algumas penas da cauda brancas era fácilmente identicada. Foi observada quase durante dois anos, sempre na mesma área. Como vem descrito em alguma literatura, as aves com plumagens leucísticas tendem a ter uma menor esperança de vida, devido a estarem mais expostas a predadores e também por as penas leucísticas serem mais frágeis. Ao certo não se sabe quantos anos viveu a “Pena Branca” (pelo menos dois), mas teve uma vida atribulada. Era vista muitas vezas em voos desajeitados, devido à perca frequente de algumas das suas penas leucísticas.

Instalações da Universidade dos Açores, Terra Chã (Terceira), 30-11-2006 (Foto: Cecília Melo)

Cagarro leucístico

Candelária (Pico), macho juvenil, recolhido durante a campanha SOS Cagarro, 29-10-2007 (Foto: Valter Medeiros)

 Priolo leucístico

Se é um previlégio ir ao Nordeste (São Miguel) obvervar os endémicos priolos, mais espantoso é fazer a obervação de um priolo quase branco. Ao contrário dos seus parentes continentais (dom-fafe) os machos do priolo não apresentam colorações vistosas. Tanto a fêmea como o macho caracterizam-se por uma plumagem de tons creme-acinzentados, com a cabeça, asas e cauda pretas. Este priolo, observado na Algarvia (Nordeste), apresenta uma coloração quase totalmente branca, mantendo apenas alguma da cololação típica nas asas e na cor do bico. É um caso de leucismo quase completo, bastante raro de se observar.

Algarvia (São Miguel), 09-06-2008 (Foto: Daniel Jareño)

Priolo parcialmente xantocrómico

Para os mais desatentos este priolo poderia passar como um individuo normal. Contudo para um olhar mais atento ressaltam a estranheza da côr amarela do bico e  das patas (tarsos) . Esta é  uma forma de xantrocromia, ou seja, a subtituição de uma cor pelo amarelo. Neste caso o bico e as patas deste priolo apresentam a cor amarela em vez da tipica coloração preta.

Grotas Fundas (São Miguel), 11-09-2008 (Foto: Victor Maia)

Toutinegra melânica

Durante uma sessão de anilagem, integrada na tese de doutoramento de Beatriz Rumeu,  para o estudo da dispersão do cedro-do-mato pelas aves, esta ave singular veio-nos cair nas redes. Tendo conhecimento do melanismo nas toutinegras e sabendo também que este é mais comum nas ilhas Atlânticas, afectando no caso da Madeira e dos Açores cerca de 2% da população, esta foi a minha primeira observação de uma fêmea melânica. O melanismo nas toutinegras expressa-se, nos machos, por apresentarem uma cabeça toda preta, estendendo-se até ao peito, e o resto da plumagem com tons de verde-azeitona e um cinzento mais escuro do que a coloração normal. As fêmeas, por sua vez, apresentam menos contraste e mostram uma plumagem de tons mais acastanhados e verde-azeitona.

Malha Velha (Terceira), 24-09-2008 (Foto: Cecília Melo)

Canário-da-terra parcialmente leucístico 

São Mateus (Pico), 24-10-2010 (Foto: Valter Medeiros)

Melro parcialmente leucístico

Serra das Velhas (Pico), 21-03-2011 (Foto: Valter Medeiros)

 Pardal parcialmente leucístico

Ponta Delgada (São Miguel), 04-04-2011 (Foto: Carlos Ribeiro)

 Estorninho parcialmente leucístico

Vila do Nordeste (São Miguel), 29-04-2001 (Foto: Carlos Pereira)

Pardal leucístico

Pedreira do Cabo da Praia (Terceira), 02-05-2011 (Foto: Carlos Pereira)

 Melros parcialmente leucísticos no Pico

Dia 20 de Maio, na sequência dos nossos censos de Primavera, nas pastagens altas, acima da Madalena, perguntávamo-nos se o nosso amigo “melro-de-cabeça-branca”, que havíamos observado pela primeira vez no dia 01 de Março deste ano, ainda frequentaria as pastagens próximas do Parque Florestal da Serra das Velhas (ver acima a foto tirada por Valter Medeiros a 21-03-2011). E de facto lá estava ele, embora, para efeitos práticos, não tenha sido registado como uma nova espécie… Ainda nesse dia observámos mais quatro indivíduos parcialmente leucísticos: três inds. relativamente perto deste local e outro nos matos de Santa Luzia.

Melros leucísticos na ilha do Pico, no dia 20 de Maio de 2011 (Fotos: Carlos Pereira & Cecília Melo)

“Melro-de-cabeça-branca” passa o Natal na Serra das Velhas

Tendo voltado ao Pico em Novembro, com a alegria de quem procura um velho amigo, visitámos o local à procura do nosso “melro-de-cabeça-branca”, que havíamos visto pela última vez em Julho. E, de facto, não nos fez esperar muito. Lá estava ele, na mesma zona onde o costumávamos avistar. No início de Janeiro ainda o voltámos a avistar, sempre no mesmo local.

Este exemplo ensina-nos que, muito provavelmente, quando nos cruzamos aqui com outros indivíduos, estamos na verdade a ver as mesmas aves; apenas não as reconhecemos.

Pardais leucísticos

Na Terceira a observação de alguns destes exemplares é “regular”. Dia 16 de Janeiro de 2012 foi observada uma ave totalmente branca, perto da Canada Entre Picos (Carlos Pereira). Infelizmente a ave não se deixou fotografar.

Dia 04 de Fevereiro, no Paul da Praia, Jerry Bettencourt conseguiu este registo fotográfico de um indivíduo parcialmente leucístico:

Paul da Praia (Terceira), 04-02-2012 (Foto: Jerry Bettencourt)

Estorninho e pardal parcialmente leucísticos na Terceira

No dia 26 de Novembro de 2012 Luís Barcelos e Susana Ázera observaram, na Canada Entre Picos, um estorninho dos Açores Sturnus vulgaris granti e um pardal Passer domesticus parcialmente leucísticos.

De referir que a observação de indivíduos parcialmente/leucísticos destas espécies não é inédita nos Açores. Nem na Canada Entre Picos… Não será caso para mudarmos o nome da dita canada, mas não deixa de ser um facto muito curioso.

Pardal parcialmente leucístico, 26 de Novembro de 2012, Canada Entre Picos (Foto: Susana Ázera)

Pardal parcialmente leucístico, 26 de Novembro de 2012, Canada Entre Picos (Foto: Susana Ázera)

Estorninho parcialmente leucístico, 26 de Novembro de 2012, na Canada Entre Picos (Foto: Luís Barcelos)

Pardal leucístico no Pico

Lajido, 15 de Dezembro de 2012 (Foto: Valter Medeiros)

Lajido, 15 de Dezembro de 2012 (Foto: Valter Medeiros)

Toutinegra “estranha”?…

Não, apenas a precisar de “boas maneiras”…

No primeiro dia deste ano recebíamos um e-mail, de São Miguel, com anexo fotográfico, enviado pelo Nuno Bicudo da Ponte, em que se/nos interrogava sobre se era “normal esse vermelho nas toutinegras?”.

Toutinegra dos Açores, 01 de Janeiro de 2013 (Foto: Nuno Bicudo da Ponte)

Toutinegra dos Açores, 01 de Janeiro de 2013 (Foto: Nuno Bicudo da Ponte)

Confessamos que tivemos dúvidas. Olhámos a foto demoradamente, consultámos alguma bibliografia, e concluímos – olhando ainda a fotografia – que a cor avermelhada na garganta e testa se devia ao facto, muito provável, de a ave se andar a alimentar da flor de Aloe vera (a planta onde a ave está pousada).

Uns dias mais tarde, 06-01-2013, quando fazíamos um censo para o atlas de aves invernantes, na Caldeira de Santo Cristo (São Jorge), observámos pelo menos duas toutinegras muito parecidas a alimentar-se de flores de Aloe vera. Estava solucionado, definitivamente, o mistério.

Se fôssemos mais dados às “novas tecnologias” (neste caso bastava estarmos mais atentos ao que se passa em nossa casa: http://aves.team-forum.net/t6351-felosa-comum-a-deliciar-se-com-o-polen-da-flor-do-aloe-vera) teríamos dissipado as nossas dúvidas muito mais cedo.

Melro leucístico em Santa Maria

Santo Espírito, 08-04-2013 (Foto: Nélson Moura)

Santo Espírito, 08 de Abril de 2013 (Foto: Nélson Moura)

Cagarro leucístico

Cagarro recolhido, durante a Campanha SOS Cagarro, na Barca, anilhado e liberto no Canto da Areia, no dia 08-11-2014 (Foto: Valter Medeiros)

 

Aves dos Açores: avesdosacores@gmail.com

5 respostas a Aves Curiosas

  1. Margarida diz:

    Podiam dizer mais coisas sobre opriolo, por exemplo o seu regime alimentar o tipo de bico… pelo menos essa é a minha opinião

    • Olá Margarida,

      de facto pensámos, desde o início, em ter mais informação (Regime alimentar, biometrias, estatuto, etc.), não só para o priolo, mas em relação a todas as espécies publicadas. Hesitámos, e acontece a que a nossa opção se deveu ao facto de temermos ser exaustivos e também por estarmos mais focados em informar sobre a identificação, distribuição e onde observar cada espécie. Enfim, dar algumas dicas e informação actualizada para quem quizesse saber quais as espécies que existem nos Açores e onde poderão observá-las/fotografá-las.

      Em relação “ao tipo de bico”, geralmente é o tipo de informação que incluímos, para cada espécie apresentada, pois tem muito a ver com a sua identificação. E, no caso do priolo, não descurámos essa informação.

      Agradecemos o seu comentário, pois temos pensado muito em incluir mais informação nas páginas das espécies. Pode ser, caso esta vontade se manifeste por um número crescente de “leitores”, em apressar esta nossa aspiração.

      Boas observações

  2. Espetacular o vosso site! Informação muito precisa e coerente! Estou a fazer um trabalho de investigação sobre birdwatching e sobre o caso do priolo e ajudaram-me bastante no esclarecimento de assuntos técnicos como as tipologias de aves. Bom trabalho!

  3. João Resendes diz:

    Trabalho bem executado de pesquisa, com fotos que não são comuns, gostei de ver a foto, São Mateus (Pico), 24-10-2010 (Foto: Valter Medeiros), intressante desperta curiosidade, bem como as outras e sua respectiva descrição (comentários).

    • Caro João Resendes,

      obrigado pelo seu simpático comentário. Mesmo se nos sentimos algo culpados por ter “abandonado” um pouco esta rúbrica. Na verdade pensamos “voltar”, rapidamente, com novas observações e fotos curiosas.
      Boas observações

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s