Garajau

Sterna hirundo

Outros nomes: gaivina, andorinha-do-mar-comum

Facilmente identificável pelas gentes dos Açores, quer devido à sua morfologia (onde sobressaem as suas asas pontiagudas, a cauda bifurcada e o bico vermelho), quer pelas suas vocalizações, é além disso uma espécie bastante conspícua, que podemos observar, pousada ou em voo, com relativa facilidade, mesmo sem o auxílio de material óptico.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Identificação

Mais ou menos do tamanho dum pombo, porém as suas semelhanças acabam aí. O dorso e as asas (compridas e pontiagudas) são cinzentos, sendo a garganta, o peito e o abdómen brancos. Possui um barrete preto envolvendo os olhos e um bico vermelho com a extremidade preta. As patas, curtas, são vermelhas-alaranjadas e a sua cauda é bifurcada.

Abundância e calendário


Estival nidificante. Espécie colonial. Nidifica em todo o arquipélago, entre Abril e Agosto, sendo que a sua maior colónia de nidificação se encontra no ilhéu da Praia, na Graciosa.

Onde observar

Entre Abril e Outubro em praticamente todos os ilhéus, portos e zonas costeiras dos Açores. Ou em algumas colónias situadas em ilhéus facilmente visíveis de terra. A Caloura, ilhéu de Vila Franca do Campo ou porto de Ponta Delgada (São Miguel); Ponta das Contendas (Terceira); Capelinhos (Faial); Ilhéus da Furna e Ponta da Ilha (Pico); ilhéu do Topo e Fajã dos Cúbres (São Jorge) são alguns dos locais onde é mais fácil observar o garajau.