Maçarico-galego

Numenius phaeopus

Apesar de ser um migrador regular, que pode ser observado em todas as ilhas dos Açores em qualquer altura do ano, trata-se de uma espécie desconhecida para grande parte da população açoriana, mesmo sendo uma das maiores limícolas que ocorrem no arquipélago.

Identificação

Algo maior do que uma galinhola, tem umas patas maiores, assim como o bico, o qual recurva visivelmente para baixo. O tom geral da plumagem é castanho, sendo o ventre esbranquiçado; tem um supercílio bem marcado (por comparação com o maçarico-real, espécie com a qual se confunde por vezes, apesar do maior tamanho deste); as patas são escuras, acinzentadas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em voo costuma ser de fácil identificação, devido à sua característica silhueta, pelo uropígio branco com a forma de uma “ponta de seta” e, sobretudo, pelas sonoras vocalizações que emitem.

Atenção porém a possíveis confusões com o maçarico-galego-americano: morfologicamente “igual” e com uma plumagem muito semelhante, embora o tom geral da plumagem seja de um castanho mais amarelado. Quando pousado a sua identificação pode causar alguma dificuldade, dissipando-se imediatamente qualquer dúvida com a ave em voo, pois a (sub)espécie americana não apresenta branco no dorso, sendo este de um acastanhado uniforme.

Abundância e calendário

Migrador de passagem/Invernante. Embora possa ser observado em qualquer mês do ano pelas ilhas, os meses de Outono/Inverno são aqueles em que a espécie pode ser observada mais frequentemente e em maior número, sendo possível por vezes observar bandos com 20-30 indivíduos no Aeroporto de Santa Maria, João Paulo II, na Baía dos Anjos e na pedreira do Cabo da Praia.

Onde observar

Tem uma clara preferência por zonas costeiras rochosas, ocorrendo ainda em ilhéus, praias, portos, marinas e pastagens, onde por vezes são observados a alimentar-se entre gaivotas.

Flores: Santa Cruz, Baía da Lagoa, Lajes, Fajã Grande

Corvo: Vila Nova do Corvo

Faial: Porto da Horta, Baía de Porto Pim, Feteira, Praia do Almoxarife

São Jorge: zona costeira de Velas, Fajã dos Cúbres, Caldeira de Santo Cristo, São Tomé (pastagens), Topo, Urzelina.

Pico: Plataforma Costeira das Lajes, Costa Oeste da Madalena, Ponta da Ilha.

Graciosa: Santa Cruz, Praia, Ilhéu da Praia, Ponta da Barca, Porto Afonso, Carapacho.

Terceira: Praia da Riviera/Paul do Belo Jardim, Cabo da Praia, Porto Martins, Ponta das Contendas, Baía de Angra do Heroísmo, São Mateus, Negrito, Biscoitos.

São Miguel: Aeroporto João PauloII, ETAR/Porto de Ponta Delgada, Praias do Livramento/Pópulo, Caloura, Vila Franca do Campo (zona costeira e ilhéu), Povoação (foz da ribeira), Arribanas/Covoada (em algumas pastagens), Mosteiros.

Santa Maria: aeroporto, Baía dos Anjos, Foz da Ribeira de São Francisco, Baía da Praia, Baía de São Lourenço, Ilhéu da Vila.

2 respostas a Maçarico-galego

  1. Gostei muito do artigo,aprendi ! Em Set.2014 tirei uma série de fotografias – perto da piscina da Criação Velha,Madalena,Pico – a uma ave que pensei ser um maçarico mas, só hoje, através deste artigo identifiquei a dita ave.Gostaria de lhes enviar as minhas fotografias.Vou tentar.

    • Boa noite Carlos,

      ficamos sempre felizes com o feedback; mais quando é positivo e útil para quem nos visita. Atenção, porque, além de maçaricos-galegos, ocorrem na zona outras pernaltas. Se tiver dúvidas, e conseguir fotografar a(s) espécie(s), envie-nos a(s) foto(s) que nós ajudamo-lo na identificação das aves.

      Boas observações

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s